Poesia

Amarelo

Começam a amarelar as fotos
dos tempos pueris.
(Bons tempos…)
Amarela o sorriso, 
amarelam alguns livros, 
amarelam as cartinhas,
(onde quer que elas estejam…)
amarelam as memórias 
que não são mais tão claras,
e os ossos, e a pele… 

Alguns amigos me chamam assim:
“Ei, Amarelo”…
Uns desconhecidos optam por:
“Ei, Galeguinho”…

Vou amarelando por aí…
Com coragem!

Mas gosto mesmo é da cor cinza…
Quando eu estiver só as cinzas 
vou agradar-me mais a mim…
Se é que cinzas se agradam de alguma coisa.

E que esteja no epitáfio:
“Aqui jaz o poeta Amarelo!”

Anderson C. Sandes — Maio de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *