Poesia

Houve-te

Permita-me a mim te dizer
Que antes de tu(do) veio a luz
E assim foi, p’ra que eu pudesse te ver.

A ti foi dado odor de poesia
Uma beleza primaveral
E um toque de canções.

De matéria prima rara
Que se entenda singular
Deu-se a vós uma doçura
Que fruto algum pode carregar.

Inda que venha a noite
A mais escura, e demasiada sombria
Haverá luz, porque houve luz
És tão clara quanto belo dia

Não na luz foste gerada, todavia, d’ela
Sei que no mais íntimo pensamento d’um Criador
Quem sabe por um momento, Este pensou:
Que haja tu, e houve tu . . .

Meu mundo.

Anderson C. Sandes — Setembro de 2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *