Fichamento

O Trabalho Intelectual — Jean Guitton

Jean Guitton. Imagem: Reprodução

Inicio aqui a leitura e fichamento da obra “O Trabalho Intelectual”, do Jean Guitton, pela editora Kírion. Palavras-chave: #Intelectual #Estudo #Leitura #Trabalho #Descanso

Epígrafe: “As verdades mais preciosas são aquelas que se descobrem por último; mas as verdades mais preciosas vêm a ser os métodos”. — Nietzsche 

[…] dizia Goethe, é bom que se aprenda a fazer a coisa mais insignificante da maneira mais grandiosa. 

Que o leitor não procure aqui por receitas extraordinárias. Apenas reavivo idéias simples que creio estarem presentes nas mais antigas tradições da pedagogia de meu país. — Jean Guitton 

Uma pedagogia perfeita não serviria para formar um homem, o qual tem a necessidade de que se seja com ele, ao mesmo tempo, bom e mau para que atinja sua estatura. — Jean Guitton 

Um mestre instrui-nos por aquilo que nos dá. Estimula-nos por aquilo que lhe falta, e que nos induz a sermos o nosso próprio mestre interior. — Jean Guitton 

Gostaria de contar o que cinco anos de reclusão me ensinaram sobre o trabalho do espírito. […] em primeiro lugar, que os livros não são indispensáveis, que um número diminuto deles deve ser suficiente […] — Jean Guitton 

Somos muito menos diferentes uns dos outros do que pensamos. — Jean Guitton 

O trabalho intelectual exige duas qualidades contrárias: a luta contra a dispersão — o que só é possível concentrando-se — mas também um certo desprendimento em relação a esse trabalho, pois o espírito deve alcançar a sua altura, deve ser mantido […] — Jean Guitton 

Seria proveitoso para nós intelectuais considerar o trabalho do artista. — Jean Guitton 

Não há como realizar um trabalho melhor do que numa equipe, porque cada um furta-se à angústia, ao orgulho do isolamento, e aproveita o trabalho dos outros. — Jean Guitton 

Seria precioso para o trabalhador do espírito puro ter um amigo entre os proletários, ou entre os burgueses que arriscam a vida. — Jean Guitton 

Para nos formarmos de novo, o ideal seria que já na metade de nossas vidas tivéssemos de ensinar um rapaz inteligente […] — Jean Guitton 

“Seria eu sempre capaz de responder às perguntas que faço aos meus alunos?”. — Jean Guitton 

Sócrates falava às pessoas simples de Atenas e surgiu Platão. — Jean Guitton 

Seria útil que se formassem, então, hábitos de trabalho em comum, círculos, equipes, onde cada um lucraria com o trabalho dos outros. — Jean Guitton 

A intelectualidade não deveria separar-se da espiritualidade. — Jean Guitton 

[…] antes de tudo penetrar no conhecimento de si próprio […] — Jean Guitton 

Os grandes homens não são de uma essência diferente da nossa. Assim como seria bom realizar as coisas difíceis como se fossem fáceis […] — Jean Guitton 

[…] o homem novo tem as suas vantagens em relação ao homem amadurecido: o tempo disponível, a confiança radical em si próprio e a ausência dos movimentos de dúvida que prejudicam sempre. — Jean Guitton 

1) Saiba selecionar. 2) Não procure entender tudo. 3) Agarre-se a um só ponto e gire ao seu redor. — Jean Guitton 

A regra de ouro do trabalho intelectual pode traduzir-se assim: Não tolere nem o semi-trabalho nem o semi-repouso. — Jean Guitton 

Quando o cansaço se faz sentir, a atenção quase não é possível, a menos que se esteja já bastante habituado. Então, o melhor é descansar, procurar um escape, para depois, um pouco mais tarde, recomeçar — descontrairmo-nos e contrairmo-nos, como se inspira e se expira. — Guitton 

[…] como seria melhor ouvir dizer: “Alegro-me com o meu trabalho”, “tenho tempo para o descanso”. — Jean Guitton 

Payot tinha razão ao dizer: “O tempo do verdadeiro trabalho é curto”. — Jean Guitton 

Deveriamos nos esforçar em descobrir quais são as horas divinas, aquelas nas quais a atenção está num estado de lucidez, de penetração, de coincidência com o eu mais vivo. — Jean Guitton 

Nunca permitir que nessas horas nos deixássemos prender pelas ninharias deste mundo. — Jean Guitton 

Constituía, para o moralista antigo, uma regra sem exceção trabalhar com prazer e interesse nas primeiras horas do dia […] — Jean Guitton 

São as noites que oferecem a maior solidão, o maior conforto e mistério, o que implica num levantar tardio depois do repouso reparador. — Jean Guitton 

[…] tudo se complica num espírito cansado e que então trabalha contra si mesmo. — Jean Guitton 

A preparação do trabalho exige um recanto e, mais ainda, uma atmosfera. — Jean Guitton 

Organizar a gruta; escolher um lugar tal que tudo nele seja paz e incentivo. Se esse apartamento estiver organizado com luxo, que esse luxo seja sóbrio. Se estiver organizado pobremente, que essa pobreza esteja cheia de símbolos. — Jean Guitton 

“Não tolere nada junto de si”, dizia Ruskin, “que não lhe seja útil ou que você não ache belo”. 

Desde que lhe seja possível, procure uma outra pessoa, ao mesmo tempo resistente e reflexiva, que o ajude a controlar os seus pensamentos, assim como o confidente da tragédia. — Jean Guitton 

Porque a admiração que alguém possa ter por nós dissipa as nossas dificuldades. — Jean Guitton 

Como explicar que os universitários, cuja ocupação é aprenderem a pensar e a escrever, produzam menos obras duráveis que esses amadores que escrevem à maneira clandestina de descontração? — Jean Guitton 

Nunca será demais repetir esta bela regra natural: ir, em tudo, do conhecido para o desconhecido. — Jean Guitton 

É uma das características de todo trabalho humano ser necessariamente imperfeito. Nas grandes coisas tanto como nas pequenas […] — Jean Guitton 

A noite aconselha, o espírito disciplina-se e amadurece, à custa do tempo simplesmente. A vantagem do repouso está em evitar a desproporção. — Jean Guitton 

Dizia Goethe a Eckermann: Quando se é jovem não se vê as coisas senão por uma só perspectiva; uma grande obra, pelo contrário, exige uma pluralidade de perspectivas e é nisso que se fracassa. 

Nos seus cadernos, Sainte-Beuve anotara, num dia de amargura: “Amadurecer! Amadurecer! Endurece-se em certos assuntos, apodrece-se em outros; não se amadurece”. 

[…] é um bom conselho aquele de dividir tanto quanto se possa o trabalho intelectual em três tempos; o da confecção do “monstro”, o do repouso dirigido, o do acabamento na busca da perfeição. — Jean Guitton 

Um escritor, normalmente, ama a solidão e não pode suportar uma presença estranha perto de si. — Jean Guitton 

Eu não acreditava senão na inspiração. Nada de mais esterilizante, nada que favoreça mais a preguiça: renunciamos constantemente ao nosso trabalho; ficamos sempre à espera de não sei que estado de graça e de iluminação […] — Jean Guitton 

O que de grande, de inestimável Barrès me ensinou foi a modéstia no trabalho. Por essa lição nunca saberei como lhe agradecer. Não que eu tenha reconhecido o benefício imediatamente. Fiquei primeiro escandalizado, mas com a prática minhas idéias mudaram bastante. — Jean Guitton 

Na maior parte das vezes ignoramos as nossas riquezas: sabemos mais do que julgamos saber. Um monstro nasce da dor. — Jean Guitton 

Nota do leitor: o conceito “monstro” utilizado na obra, refere-se a compilados de pensamentos, rascunhos, anotações. Tal compilado poderá ser consultado e usado durante os trabalhos. 

A frase mais insignificante vale mais que o papel branco. Balzac conhecia essa lei. Esperar pela inspiração é uma operação vá. O dever consiste em pegar na matéria e sujar as mãos. — Jean Guitton 

A composição está relacionada ao tempo; é o tempo que compõe em nós. — Jean Guitton 

[…] o melhor é deixar a obra compor-se e ordenar-se por si própria, e sobretudo não a forçar. — Gide, apud Jean Guitton 

É certo que o talento é superior às regras, e é libertando-se delas que se manifesta. — Jean Guitton 

Assim, o trabalho que se deve aconselhar à juventude não consiste só em recolher idéias ou informações, e amontoar frases sobre frases, mas, ao contrário, em escolher uma idéia e desdobrá-la, como um tecido, completamente. — Jean Guitton 

Tinha Descartes razão em dizer que o excesso de regras é uma desculpa para a preguiça. — Jean Guitton 

Repetir diversamente, tornar a dizer a mesma coisa com outras palavras, essa será sempre a regra da arte de falar aos homens. — Jean Guitton 

E Poe observa que um autor deve conhecer o desfecho antes mesmo de pegar na caneta. — Jean Guitton 

Nota do leitor: um autor deve saber qual será a conclusão de sua obra antes de iniciar. Isso serve também para romances, contos, novelas, etc. Da conclusão estabelecida decorrerá o texto com mais destreza e fluidez. 

[…] para que uma lição seja proveitosa, é necessário que o aprendiz tome consciência de sua mediocridade por meio de fracassos bem sentidos […] — Jean Guitton 

Onde se encontra a cabeça do parágrafo, isto é, a parte diretriz e motora? Resposta: na cauda. O termo do parágrafo é também o seu final, e é no fim que se deve colocar a frase que dele resume a idéia. — Jean Guitton 

Nota do leitor: segundo Guitton, um parágrafo deve ter entre 15 e 25 linhas. 

Essa fórmula fará apelo à conclusão do parágrafo: frase concisa, saliente, simples, clara, por vezes brutal, às vezes também um pouco paradoxal. Em função dessa frase, construiremos o resto. — Jean Guitton 

Os espíritos pequenos operam pela quantidade. Os grandes espíritos operam pela qualidade e aprofundamento. — Jean Guitton 

Calarmo-nos, desde que não se tenha nada a dizer que valha a pena. Esse preceito abrange a criança e o velho. O silêncio daquele que se abstém de falar é um silêncio instrutivo e sonoro. — Jean Guitton 

[…] para bem compreender um livro, convém lê-lo integralmente, de uma ponta à outra, apreender-lhe o ritmo, para que as parcelas que escolhermos permaneçam na luz do Todo. — Jean Guitton 

O hábito de ler só com os olhos, que tão precioso é e tão bem se ajusta à prosa, torna-nos insensíveis à poesia e até mesmo a esse ritmo que é a poesia presente na prosa. — Jean Guitton 

Um verdadeiro livro escreve-se por necessidade, tal como uma verdadeira leitura é a que fazemos num estado de espírito de fome e desejo. — Jean Guitton 

E assim como é aconselhável evitarmos ler se não sentimos um apelo para isso, do mesmo modo deve-se evitar escrever livros se não tivermos a convicção de que temos algo para transmitir que ninguém possa dizer por nós. — Jean Guitton 

Todos os que lêem gostam de tornar a ler uma mesma obra, de fazer um sacrifício e comprá-la, de mandar encaderná-la, de tê-la, dia e noite, bem perto do lugar onde sonham. — Jean Guitton 

Os livros que convém termos sempre à cabeceira são aqueles que, a qualquer momento, podem nos proporcionar um conselho ou um movimento favorável; aqueles que nos elevam, pela descrição de uma vida exemplar […] — Jean Guitton 

É bom que um livro seja antigo o suficiente para que ele não se ligue de qualquer modo aos nossos pensamentos sobre o presente e nos faça sentir que aquilo que, nesse momento, nos emociona é provisório. — Jean Guitton 

Bom é conservar perto de nós os seres insolentes que fazem despertar as partes fracas de nosso eu e que nos obrigam a procurar argumentos, alguém que vê preto onde nós vemos branco, para que assim se avalie melhor o que se sabe ou se atenuem nossas certezas. — Jean Guitton 

[…] o narrador deve também possuir certo ar distraído quanto ao que conta, certa candura, certa fleuma a propósito do que diz de terrível ou comovente, em suma, certa negligência que é o atributo da soberania […] — Jean Guitton 

Nota do leitor: por vezes o narrador de uma estória deve ocultar detalhes, dizer esquecer-se de outros, como se tivesse testemunhado tais experiências irreais, afim de dar mistério e vivacidade à obra. Arcanos e obscuridades encantam os leitores e não favorecem o tédio. 

Precisamos ler os romances para conhecermos o sentido de nossa vida e da vida dos que nos rodeiam, um sentido que o embotamento do quotidiano nos esconde […] 

[…] precisamos lê-los para penetrar em meios sociais diferentes do nosso e para neles encontrarmos, para além da diferença dos costumes, a semelhança da natureza humana […] 

[…] para estudarmos, como se fosse num laboratório, os problemas fundamentais, que são os do pecado, do amor e do destino, e isso de forma concreta e sem as transposições da moral […] 

[…] enfim, para que enriqueçamos a nossa vida com a substância e a magia de outras existências. — Jean Guitton 

Também a história deve ter um lugar nas nossas leituras. Aqui o interesse está relacionado ao que ocorreu de fato. — Jean Guitton 

Também convém que, de vez em quando, se leia um livro de ciência despojado de tecnicismo, conquanto que o entendamos, e sem ter esse cuidado especial de tudo compreender, que estraga toda leitura. — Jean Guitton 

Não há ficção que substitua esse alargamento da visão que nos é dado pelo conhecimento da matemática, da física ou da biologia. — Jean Guitton 

[Nos livros de ciência] basta uma pequena descoberta para torná-la caduca para sempre, ao passo que a poesia e a filosofia não envelhecem. — Jean Guitton 

O primeiro objeto que a religião consagra é um texto. A religião ensina-nos a ler, esclarece-nos que o que existe de belo e de verdadeiro numa obra não provém do autor dela […] — Jean Guitton 

[…] a arte de ler bem consiste em cada um compor para si uma segunda Bíblia — ler a primeira com inteligência, e a segunda, que é nossa, com fé. — Jean Guitton 

É um hábito feliz o de ter um diário que não será jamais visto, e de assim escrever apenas para si e para os anjos. — Jean Guitton 

É um conselho que eu dou aos jovens, para em segredo irem preparando esse húmus, onde mais tarde encontrarão não só o conhecimento de si mesmos como também materiais já trabalhados pelo seu espírito. — Jean Guitton 

Relembrar não é o mesmo que lembrar, assim como ressentir não é o mesmo que sentir. O prefixo re introduz a idéia de uma ação do espírito que regressa ao ato, tal como a reflexão sobre a atenção, o que, conforme o caso, corrompe ou aperfeiçoa. — Jean Guitton 

[…] o passado, apesar de seu caráter imutável, tem uma argila bastante úmida, capaz de assumir diferentes formas, segundo o nosso estado de alma no momento presente. — Jean Guitton 

Escrever é necessário a muitos espíritos, para pensar. O fato de escrever obriga a estender para fora o que se esconde dentro. — Jean Guitton 

Escrever dá-nos do mesmo modo a certeza de que aquilo que se passou permanecerá, para nós e para os outros. — Jean Guitton 

O fato de escrever modera-nos, também, porque o pensamento marcha depressa demais […] — Jean Guitton 

Enfim, o ato de escrever liberta-nos; ele nos alivia do peso que dá a impressão do inefável e do inexprimível. […] O primeiro gesto do tirano é impedir que se escreva, como vimos em 1940. — Jean Guitton 

É necessário ter respeito pelo espírito que habita em nós, mesmo quando se é um aprendiz ou um aluno bem aplicado. Em todos nós balbucia o Verbo. — Jean Guitton 

Não existe sempre uma grande diferença entre os trabalhos da juventude e as obras da maturidade, ou entre as atenções da adolescência e os pensamentos da idade madura. — Jean Guitton 

O que fermenta na juventude apresenta excessos, falta de destreza; percebe-se o exagero, a escola ou a imitação; mas tudo o que é autêntico tem o caráter de um germe. — Jean Guitton 

A beleza do mundo é tal que basta dizer bem o que nele se encontra, ou mesmo designá-lo com exatidão, para formar um bom estilo e para fazer um bom livro. — Joubert, apud Guitton. 

Aprende-se menos quando se pensa que o essencial não é falar, mas saber, e que aquele que sabe, por acréscimo, falará bem. Isso seria verdade se não houvesse uma ligação profunda entre o pensamento e a linguagem. — Jean Guitton 

Nota do leitor: É mister, para uma boa educação, aprender a comunicar-se através da oratória. 

[…] os jovens, cheios de idéias e de pensamentos, são, muitas vezes, incapazes de comunicá-los. A crise do ensino secundário e superior resulta em parte da incapacidade da juventude para utilizar a linguagem. — Jean Guitton 

É verdade que um homem fora de si tem sempre estilo! O mesmo se aplica aos que falam pouco, após longo silêncio; suas palavras tornam-se então provérbios. — Jean Guitton 

É necessário que o bom escritor seja comum e no entanto raro, monótono e surpreendente, constante e por vezes abrupto. — Jean Guitton 

Cada escritor deve ter à sua disposição palavras que ame muito particularmente, que se tornem a sua própria identidade, e com elas relacionar as suas frases. — Jean Guitton 

Nota do leitor: ao lermos muitos poemas de um poeta, percebemos que há algumas palavras (às vezes palavras incomuns) que se repetem. Exemplo: percebo muito a palavra “piedade” em Vinícius de Moraes, tanto na fase jovem como na madura. 

César estava persuadido de que a beleza da linguagem depende mais do uso das melhores palavras que da utilização da diversidade, e se estava satisfeito com uma expressão, despreocupava-se das outras. — Jean Guitton 

Deve-se escrever como falaríamos se falássemos bem. — Jean Guitton 

Nota do leitor: a obscuridade na composição faz-se necessária para encantar, causar mistério ou paixão. Mas tudo deve ser devidamente dosado. 

Sê elegante sem parecê-lo, mesmo nas palavras mais simples. É isto o que quero dizer: tem a preocupação de escolher. — Jean Guitton 

Assim, escrevendo como fala e falando um pouco como gostaria de escrever, tu chegarás a ser igual a ti mesmo, e no dia em que tiveres de escrever ou falar em público, terás menos problemas de expressão. — Jean Guitton 

O segredo de criar é em muitos casos a capacidade de devanear e de ordenar os seus devaneios. — Jean Guitton 

Um grande homem não deseja senão uma coisa: tornar-se o mais humano possível, ou, dizendo melhor: tornar-se banal… — Jean Guitton 

[…] os grandes espíritos nunca receiam as influências, antes, ao contrário, procuram-nas com uma espécie de avidez que é como a avidez de ser. — Jean Guitton 

Quanto mais se progride, mais os desgostos do trabalho tornam-se íntimos; de resto, é a lei do sofrimento, quando ele dura — ao desenvolver-se, tudo se interioriza. — Jean Guitton

[…] o que te é dado neste momento, aceita-o, melhora-o, aprofunda-o. Assim, tu viverás.— Jean Guitton

Poderás fazer o que quiseres, se o desejares realmente e com tenacidade. Na tua idade, a expressão dez anos assusta. Pois eu te digo que dez anos não são nada. — Jean Guitton

Ama apenas o que é verdadeiro, e, por causa desse amor, evita a companhia exclusiva de pessoas inteligentes, não procures com excessiva freqüência o teu semelhante […] — Jean Guitton

No fundo, a natureza intelectual é hipersensível, ainda que com uma certa aparência fria e imparcial. Assim, repararás que os intelectuais suportam mal a crítica, ainda que gostem muito de criticar […] — Jean Guitton

Entre pessoas de espírito, dever-se-ia freqüentemente ouvir palavras deste gênero: “Enganei-me. Você tinha razão. Tenho de reconsiderar”. Verás como essas expressões são raras nas conversas das pessoas inteligentes. — Jean Guitton

O principal é fazer o que aconselhava o velho Eclesiastes: dar-se à alegria no trabalho, fazer com que a alma se alegre em meio ao trabalho. — Jean Guitton

Termina aqui a obra. Fim do fichamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *