Poesia

Pouco sou

Jean-Honoré Fragonard. Young Girl Reading (1770)

Por mais que eu foleasse
todas as páginas,
me enterrariam sem
de nada eu saber.
Mas de um nada muito grande…

Tão grande e profundo
que eu me afogaria.
Insisto: não sei nadar!
Não sei de nada…
Apenas me afogo.

O que sei é muito pouco,
frente a tudo a saber
se torna nada.
Sei um pouco do que sou e…
pouca coisa mais.

Pouco sempre tive
porque pouco sou.
E de pouco em pouco…
vou morrendo de fome,
sem poder saciar-me.

Anderson C. Sandes — Agosto de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *