Poesia

Belo

William-Adolphe Bouguereau. The Day of the Dead (1859)

Me admiro com o belo
E em tudo que há beleza
Temo por meu túmulo
Minha futura morada
Futura fortaleza
Que não seja feio, meu Deus
Que não seja feia

Não temo a moribunda solidão
Desde que seja uma bela solidão
Me farão companhia os vermes
Representando a futura condição
Mas que seja um belo cadáver
E que seja belo o caixão

De todas as tragédias
Escolho a poesia
Pois me é uma bela tragédia
É sorrir de desgraças
É sofrer com alegria
Sofrer de forma heroica
Como um belo herói

Que seja belo o cortejo
Que sejam belas as flores
Que seja um belo buraco
Que belo seja o chorar
E que haja bela música
E por fim, que seja bela a vida
Daqui até lá. 

Anderson C. Sandes — Maio de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *