Poesia

Voltas

Carl Frederik Sørensen. A Wreck on the West Coast of Jutland at Sunset (1847)

De todas as minhas voltas…
De todas as minhas voltas…
Uma não reparei
Foi a que dei em torno de mim
Vi tudo o que há de rotação
Mas não percebi minhas sete
Meias-voltas e o voltar
Para o caminho d’onde vim

Pensei ter sido dejavu
Mas não… as pegadas eram minhas
De todas as minhas voltas…
De todas as minhas voltas…
(Uma memória me veio)
Por isso que o cosmos gritava:
— Meia-volta, volver
— Meia-volta, volver
E eu refletia:
— Deve estar louco…
— Deve estar louco…

E assim… eu, sendo já eu
Tornei-me descobridor de mim
Como um náufrago inglês
Que descobre a Inglaterra.

Anderson C. Sandes Agosto de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *