Poesia

Cosmos jardim

Otto Stark. Garden in Paris (1885)

Bem arado foi o céu

Enchido com sementes de estrelas
Como serão suas flores?
Rosadas de luz? Cheias de cores?
Quem as colherá? Quem escolherá?

Há um jardineiro?

Um bastaria? 
Como podam-se estrelas?
Quem… quem as regaria? 

Sei que são belas as flores

As flores das estrelas
Não há vaso digno de tê-las

Olha como brilham

As flores das estrelas
Não há olho digno de vê-las

Eu cá, com toda minha indignidade

Observo com cuidado, de longe
De outra forma não poderia ser
Já sou ousado em me atrever a ver
Creio que…
Não devo levar tão a sério assim…
Afinal, elas brilham, também, pra mim

Anderson C. Sandes — Outubro de 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *