Poesia

Que coisa terrível

Santiago Rusiñol. Senyor Quer in the Garden (detalhe) (1889)

Oh, que coisa terrível
parecia fazer aquele homem.
Todos olhavam, se cutucavam e apontavam.
— De que se trata?
Perguntavam os desavisados,
que de longe forçavam as vistas
para ver o conteúdo que o indivíduo portava.

Ah, que coisa assustadora
parecia fazer aquele homem.
Poucos tinham visto algo igual,
mesmo os que viram em outrora
se espantavam com a cena.
— Se acha melhor que nós?
Pensava aquele inconsciente coletivo,
calado, mas não em silêncio.

Ora, mas que coisa espantosa
parecia fazer aquele homem
segurando aquele objeto belo e temível…
poucos tinham algo igual em suas casas
(pobres almas embrutecidas)
— Quem ele pensa que é?
Ecoavam os pensamentos da massa
que seguia indignada pra cima e pra baixo

A despeito de tudo,
continuava aquele homem ali,
severo, calado, de pernas cruzadas,
a ler o seu livro… em paz. 

Anderson C. Sandes — Agosto de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *