Poesia

Amarelo

Começam a amarelar as fotos
dos tempos pueris.
(Bons tempos…)
Amarela o sorriso, 
amarelam alguns livros, 
amarelam as cartinhas,
(onde quer que elas estejam…)
amarelam as memórias 
que não são mais tão claras,
e os ossos, e a pele… 

Poesia

Ave preta

Imagem: Francisco Souza / Flickr (com edição)

Oh, aquela ave preta
sobre galhos rijos cinzentos.
Oh, meu sertão que se encontra verde,
tudo um pouco mais belo.
Mas a ave insiste co’a morte
ao pousar naqueles galhos podres;
podres, mas rijos.

Poesia

Conselhos d’um ermitão urbano

Berthold Woltze. Good Advice Is Expensive! (1873)

Cala-te, oh boca cansada!
Afia tua língua entre os dentes,
Afim de seres mortal,
Afim de não seres banal.

Fala, oh lâmina afiada!
Choca aquele que escuta!
Dá-lhe um golpe de verdade,
Dá-lhe perturbações à alma.

Poesia

Da chuva que cai

Childe Hassam. Rainy Day, Boston (1885)

Quão apressadas caem
essas gotas nos torrões.
Como quem sente saudade,
logo voltam a correr, seguem o curso
como fora em outrora.

Não sabeis, pois, que
a vida é hostil?
Ou apenas seguem essa
tirânica lei natural
de ir e vir… ir e vir…?

Poesia

Do ser o que é

Rembrandt. A Young Scholar and his Tutor (1629 - 1630)

Concentro-me em algaravias amiúdes 
De arquétipos mui caros…
Tento ouvir a todos.
Alguns corifeus de meus valores amados,
Valores escritos em lábaros…
Que se perderam em meio à escatologia,
(E tantas outras “gias”)

Alguns ainda se acham em epopeias, em ilíadas…
Ainda que rotos…
Ainda que tolos…
Ainda que soltos…

Poesia

Mentalidade vermelha

Imagem: Reprodução / Internet

Oh, Mentalidade vermelha
Que com foices abrem crânios
E com martelos esmagam a massa cinzenta
Esmagam a massa…
E cinza é o seu futuro
Non ego sum
Não me associo a eles

Não suporto a histeria
De bandeiras tristes e falsas
Nas praças
Ah, essas praças…
Sempre tão cheias deles…
Não têm muito o que fazer?

Poesia

Da vida

Jacob van Hulsdonck. Still Life with Lemons, Oranges and a Pomegranate (1620 - 1640)

Já vi alguns invernos
Já vi alguns infernos
Vi infernos em invernos 
E invernos em infernos

Com cantos tristes já sorri
Com cantos alegres já chorei
Em cantos tristes já me ri
Em alegres cantos lamentei

Poesia

Que coisa terrível

Santiago Rusiñol. Senyor Quer in the Garden (detalhe) (1889)

Oh, que coisa terrível
parecia fazer aquele homem.
Todos olhavam, se cutucavam e apontavam.
— De que se trata?
Perguntavam os desavisados,
que de longe forçavam as vistas
para ver o conteúdo que o indivíduo portava.

Poesia

Cada dia

Michelangelo Merisi da Caravaggio. David and Goliath (1599)

Voam as moscas num tom de fá,
Zum zum zum infernal
Em meio aos corpos fétidos.
Geme a marreta em atrito
Com a bigorna…

Poesia

Esta cidade

Natalia Mikhalchuck. Vilnius evening (2013)

Fico cá nesta cidade
Com seus muitos becos
Suas muitas ruelas
De jovens parados
E afazeres efêmeros
Julgo eu, todavia.

Pr’onde iria eu…
Se tudo que tenho
De realmente meu
Nesta vida
São algumas feridas
Cicatrizes contam?