Infantil, Poesia

Correr como criança

Paul Mathey. Enfant et femme dans un intérieur (1890)

Que saudade de correr
Mas correr como criança
Correr atrás da bola
Correr atrás da abelha
Correr para abraçar
Correr, só por correr

Poesia

Só riso

Bartolomé Esteban Murillo. Two women at a window (1660)

Dentre os dentes há sorriso, só riso.
Olha o olhar, uma dose alegre. Uma dó… se alegre!
Não se mente para a mente. Mas a mente sempre mente.
Um dia desabafaremos. Desaba… faremos de novo.

Poesia

[Po] Ética de jardineiro

ARCIMBOLDO, Giuseppe. Spring (1563)

Nos tempos em que eu [poes] ia
Ver [so] as flores no jardim
Me faltava [inspir] ação, ao regar
As borbo let[r]as em cima da jasmim.

Anderson C. Sandes —Fevereiro de 2015
Texto

Minha amiga secreta

GENTILESCHI, Artemisia. Self-Portrait as the Allegory of Painting (1630)

Era o final daquele ano letivo; o ano era 2003. Eu cursava a 4ª série do fundamental, em Santa Catarina. As professoras resolveram organizar um “amigo secreto”, e estipularam um valor mínimo para o presente em R$ 10,00 (dez reais).

Dez reais era tanto dinheiro pra minha família naqueles tempos… mas consegui. Não me lembro quem eu tirei no sorteio, nem lembro o que comprei para esta pessoa, mas lembro que o presente custou exatamente dez reais.

Música, Poesia

Incerta canção

Um poema que, na voz e violão de Gil Silva, amigo meu, tornou-se canção. O eu lírico expressa falta de pertencimento, solidão, desmotivação, dúvidas. Expressa contrastes e sínteses das coisas que vê: aves felizes voando em meio à fumaça; sorriso amarelo (expressão de falsidade) combina-se com azul (símbolo de euforia), resultando num verde sem graça, etc.

Poesia

Muito frio

Muito frio
Escorado numa parede
Com meias nos pés
Com meias nas mãos
Com meias verdades 
No meio coração.

Poesia

Houve-te

Permita-me a mim te dizer
Que antes de tu(do) veio a luz
E assim foi, p’ra que eu pudesse te ver.

A ti foi dado odor de poesia
Uma beleza primaveral
E um toque de canções.

Música, Poesia

Monologando co’a morte

GOYA Y LUCIENTES, Francisco de. Saturn Devouring One of his Children (1819-23)

Te vi em meu olhar

Num reflexo
De águas tranquilas

Este chão já foi o meu leito
Certo estou que ainda será
Outrora acima
Depois não sei

Poesia

É sempre meia noite por aí

GOGH, Vincent van. Starry Night over the Rhône (1888)

Por aqui é meia-noite
Mas é meio-dia na lua
Pobres lunáticos, não têm uma sombra de árvore pra descansar.
Talvez por isso repousem nas trevas.

Poesia

Oh, tímida

FRAGONARD, Jean-Honoré. A Young Girl Reading (1770)

Vejo-te sorrir olhando p’ra terra
Será de timidez que olhas o chão?
As nuvens acima e o solo em guerra 
O que está mais próximo ao teu coração?